Juros do consignado nunca foram tão baixos

 Juros médios do consignado estão em 1,4% ao mês, o menor patamar da história


Foto: Steve Buissinne/Pixabay

O crédito consignado é uma modalidade de financiamento pessoal com uma das menores taxas de juros do mercado. O custo é baixo porque as parcelas do empréstimo são descontadas do salário, diretamente na folha de pagamento. Apesar de ser um tipo de crédito sem garantia, os bancos conseguem praticar juros menores em razão da previsibilidade dos pagamentos.

Desde 2018, o custo do crédito consignado está em queda no Brasil. No último ano, as taxas médias caíram de 21% para 18% ao ano, de acordo com dados do Banco Central. Em novembro de 2020, último dado disponível, os juros estavam no piso histórico para a modalidade, em 1,4% ao mês.

Naturalmente, parte dessa diminuição se deve à própria queda da taxa básica de Juros, a Selic, que está em 2% ao ano, o menor patamar da história.

Outra razão para a queda do custo da modalidade foi a entrada de novos competidores. Bancos médios, que antes não tinham participação no consignado, e bancos digitais passaram a investir pesado na captação de clientes para essas linhas de crédito. De acordo com a Associação Brasileira de Bancos (ABBC), que representa as instituições financeiras menores, o número de bancos médios e fintechs atuando com o consignado saltou para 30.

“A tendência é a de aumento da competitividade. Como boa parte da carteira está na mão das grandes instituições, há ainda bastante espaço para o crescimento dos bancos menores”, diz Alex Sander Gonçalves, diretor da ABBC e executivo do banco Pan. Ele diz que as fintechs e os bancos digitais têm investido pesado em tecnologia para oferecer novos canais de atendimento e de oferta de produtos para os clientes.

A razão para o investimento é simples: o consignado é uma linha com baixa inadimplência e boas margens. Além da vantagem dada pelas próprias categorias do produto, os bancos que atuam no segmento podem oferecer ao cliente uma troca de dívidas mais caras (em que o nível de atraso e de calote é maior) pelo crédito consignado.

Por: Bianca Alvarenga | Fonte: Exame